No dia 8 de abril, durante a manhã, teve lugar, no Polivalente da escola Prof. Carlos Teixeira, uma palestra orientada pelo Doutor Rui Trindade, da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, que subordinou ao tema – “Ser professor – O que podemos fazer com aquilo que nos deixam ser?”.  O Diretor do Agrupamento começou por agradecer a disponibilidade do Doutor Rui Trindade para vir até Fafe trazer a sua visão da escola atual, num contexto de mudanças que abrem novos horizontes à intervenção educativa. O prof. Jorge Nascimento, da Universidade Católica, que tem acompanhado as medidas implementadas no âmbito do Contrato de Autonomia com o Ministério da Educação, agradeceu também ao Doutor Rui Trindade a resposta positiva a este desafio que ele também lhe colocou.

O Doutor Rui Trindade começou por abordar as mudanças propostas no Decreto-Lei nº55/2018, dando sempre destaque à necessidade de cada escola poder escolher o seu próprio caminho. Neste sentido também chamou a atenção para a importância do papel do professor nas decisões a tomar, de forma a ajustar as Aprendizagens Essenciais ao contexto da escola e das turmas. No seu entender as novas orientações educativas reforçam a ideia de que cada escola deve ter consciência dos seus progressos, independentemente do lugar que possam ocupar nos rankings que os meios de comunicação social constroem e que dão lugar a discussão na opinião pública. Entende que os rankings são uma falsa questão, porque não se pode comparar o que não tem comparação.

Deixou ainda algumas reflexões sobre as questões de interdisciplinaridade, que em primeiro lugar deverão ter significado enquanto estratégias de ensino-aprendizagem. Nessa perspetiva, será importante dar a devida atenção aos métodos pedagógicos e aos modelos de avaliação, sendo que tudo deverá, em primeiro lugar, fazer sentido para os alunos.

A peculiar forma de expor as suas ideias atraiu os docentes, que ficaram agradados com a simplicidade da comunicação.