A Escola vive, pela sua condição social, o período de distanciamento comum a todas as comunidades.

Apesar das limitações e das muitas dificuldades não abandonou, nem desistiu da sua função educativa, que no atual contexto “antigregário” implica criatividade nas propostas de atividades para manter as crianças motivadas, consolidar conhecimentos adquiridos e, se possível, alargá-los.

Na consecução destes objetivos os docentes das AEC´S, do apoio e da Educação Especial foram uma enriquecedora mais-valia. Em articulação a docente Liliana Oliveira contribuiu para a ludicidade que complementou algumas das atividades realizadas na minha turma – CTX -17. De entre as atividades propostas neste período atípico, no domínio artístico, desportivo, científico e tecnológico destaco uma a que os alunos aderiram revelando gosto pela escrita, conhecimento da tradicional quadra popular e domínio de rima significativa e alegremente vivenciada: “Santos Populares em tempo de Covid”. Também esteve presente a capacidade de expressividade comunicativa que foi evidenciada através da declamação/dramatização de poemas, com respetiva apresentação da personagem: “Uma velhinha que vivia sozinha e utilizou – a língua do nhem – para comunicar com os animais”.

Para mim foi também uma experiência enriquecedora enquanto profissional porque me reafirmou o velho lema popular de que “ Fazer o que se gosta não é trabalho.”

Reconhecendo a veracidade da asserção fica a lição de que aprendizagem tem afinidades com prazer e alegria.

Professora Anabela da Silva Ferreira

Santos Populares (ver)

nhem… nhem…